Metade dos deputados estaduais articula candidaturas próprias ou de familiares para eleições municipais deste ano


Pouco mais da metade dos deputados estaduais eleitos ou reeleitos em 2018 articulam pré-candidaturas próprias ou de familiares para conquistar prefeituras pelo interior da Bahia em 2020.
Até então 19 deles trabalham diretamente para compor chapa majoritária e outros 14 estão em campo para manter ou colocar redutos sob a batuta de entes queridos.
Salvador  
Em Salvador, pelo menos quatro parlamentares colocaram seus nomes como alternativas e fazem arrumações para se viabilizarem como cabeças de chapas majoritárias. São eles Hilton Coelho (Psol), Niltinho (PP), Olívia Santana (PCdoB) e Robinson Almeida (PT).
Poderiam entrar nessa lista Tiago Correia, suplente de Leo Prates, e Paulo Câmara (ambos do PSDB), que chegaram a ser ventilados como possíveis pré-candidatos, mas o partido acabou declarando apoio ao vice-prefeito Bruno Reis (DEM), anunciado oficialmente como nome do grupo de ACM Neto na última segunda-feira (6).
João Isidório (Avante) não será candidato, mas impulsiona as pré-candidaturas do pai, o deputado federal Pastor Sargento Isidório, e do irmão Tancredo Isidório a prefeito e vereador de Salvador, respectivamente. O mesmo acontece com David Rios (PSDB) que pavimenta a reeleição do irmão Daniel Rios (MDB) a vereador de Salvador e com Alan Sanches (DEM), que municia suas bases para garantir a permanência do filho Duda Sanches (DEM) na CMS.
RMS e Feira de Santana
Na Região Metropolitana de Salvador (RMS) cinco parlamentares aparecem nas disputas por Simões Filho, Lauro de Freitas, São Francisco do Conde e Camaçari. Na primeira cidade, Eduardo Alencar (PSD) polariza com o prefeito Dinha (MDB), marido da deputada Kátia Oliveira (MDB), que usa a estrutura do primeiro mandato na AL-BA para perpetuar a família no comando municipal.
Mirela Macedo (PSD) é colocada na bolsa de apostas em Lauro de Freitas, mas a tendência é que ela caminhe no mesmo bloco do ex-marido Teobaldo Costa, cuja pré-candidatura deve ser selada nos próximos dias pelo DEM com apoio do prefeito de Salvador ACM Neto.
Em Camaçari, Júnior se apresenta como emissário do PP, ainda que tenha pouca projeção. Já em São Francisco do Conde, a secretária de Comunicação Vanessa Dantas - esposa do deputado líder de governo Rosemberg Pinto (PT), tem sido sondada para ser vice em uma eventual chapa com o ex-prefeito Antônio Calmon. 
Em Feira de Santana, Targino Machado (DEM), José de Arimateia (Republicanos) e Pastor Tom (PSL) – todos da bancada de oposição na AL-BA - cavam espaços para terem chapas majoritárias de seus respectivos grupos políticos.
Vitória da Conquista
Outros três deputados aparecem na disputa pela prefeitura de Vitória da Conquista, no sul da Bahia. Zé Raimundo, ex-prefeito da cidade, é a principal aposta do Partido dos Trabalhadores para reaver o controle da cidade, após um ciclo de 20 anos de governo interrompido com a eleição de Herzem Gusmão (MDB) em 2016.
Fabrício Falcão volta a ser o emissário do PCdoB e Marcell Moraes sonha em construir uma majoritária pelo PSDB – além de emplacar novamente a irmã, Marcelle Moraes, em Salvador. 
Oeste
Jusmari (PSD) e Antônio Henrique Jr. (PP) esquentam a disputa pelas principais cidades do oeste do estado. Ela trabalha para levar o marido e prefeito de Luís Eduardo Magalhães, Oziel Oliveira (PSD), à reeleição. Seu principal oponente é o empresário Júnior Marabá (DEM), dono de uma rede de supermercados que leva seu nome.
Antônio Henrique Jr. trabalha para levar adiante uma pré-candidatura contra o prefeito Zito Barbosa (DEM) em Barreiras, município já comandado por seu pai, Antônio Henrique.
Região do Sisal e Recôncavo
A região do Sisal é alvo dos deputados Osni (PT), Laerte do Vando (PSC), Tom Araújo (DEM) e Alex da Piatã (PSD), mas apenas dois deles podem assumir a cabeça de chapa: Osni em Serrinha e Tom Araújo em Conceição do Coité, mesmo município onde Alex da Piatã costura a pré-candidatura da esposa Val, que hoje é vice do prefeito Assis.
Já em Monte Santo, o prefeito Vando (PSC) tem a seu favor o recente recall eleitoral do filho Laerte do Vando (PSC), eleito pela primeira vez como deputado estadual.
Outros parlamentares que já entraram em campo em prol de seus genitores são Marquinho Viana (PSB) – que abriu mão de ser candidato e lançou a pré-candidatura da mãe Dona Lúcia (recém filiada ao PSD), em Barra da Estiva, no Centro sul baiano – e Rogério Andrade Filho (PSD) – que trabalha pela reeleição do pai, Rogério Andrade (PSD), em Santo Antônio de Jesus, na região do Recôncavo.
Perto dali, em Amargosa, o deputado Dal (PP) providencia uma composição ampla para lançar a esposa, Maíra Barreto, como principal adversária contra a reeleição do prefeito Júlio Pinheiro (PT). Nos bastidores Dal já admite que se o nome dela não ganhar musculatura, ele mesmo terá que assumir o papel de emissário da oposição.
Candidatura de irmãos
No rol daqueles que defendem candidaturas de irmãos estão Alex Lima (PSB), Adolfo Menezes (PSD) e Tum (PSC). O socialista tenta recolocar o irmão Rodrigo de Castro Lima, conhecido como Rodrigo de Dedé (PSB), no comando do município de Esplanada, enquanto o pessedista ajuda a irmã Rose Menezes a se manter como prefeita de Campo Formoso. 
De malas prontas para o PP, o deputado Tum (ainda no PSC) quer alargar as tendas do seu reduto eleitoral no Vale do São Francisco com a recondução do irmão Wilker Torres (PSB), prefeito de Casa Nova.
Jequié, Pintadas e Porto Seguro
Zé Cocá (PP), ex-prefeito de Lafaiete Coutinho, agora quer conquistar a prefeitura de Jequié. Ele tem apoio do vice-governador e cacique do PP na Bahia, João Leão, e a benção do governador Rui Costa (PT) e da primeira-dama Aline Peixoto, que é natural da cidade.
Derrota numa eleição apertada em 2016 (50,95% a 49,05%), Neusa Cadore (PT) quer brigar mais uma vez pelo poder Executivo da cidade de Pintadas.
E na Costa do Descobrimento, Jânio Natal (PODE) que retornar a dar as cartas na prefeitura de Porto Seguro, que já esteve sob sua batuta por duas gestões.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.