Paripiranga-BA: Promotor Gildásio é suspenso sem remuneração após denúncia de comportamento inadequado

O plenário do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) julgou nesta terça-feira (26), em Brasília (DF), ser procedente o processo administrativo disciplinar movido em desfavor do promotor de Justiça do Estado da Bahia, Gildásio Rizério de Amorim, por conduta desrespeitosa entre os anos de 2017 e 2018, nas sedes de Promotoria de Justiça da Comarca de Paripiranga (BA).

Com a procedência do processo, que ocorreu por unanimidade, Gildásio foi punido com suspensão pelo período de 90 dias e com a perda dos direitos e vantagens decorrentes do exercício do cargo. Além disso, o CNMP determinou, ainda, o encaminhamento de cópia dos autos da decisão à Procuradoria-Geral de Justiça do Estado da Bahia para análise quanto à propositura, ou não, da correspondente ação de improbidade.
A punição contra o promotor de Justiça advém da violação dos deveres legais de manter, pública e particularmente, conduta ilibada e compatível com o exercício do cargo, de zelar pelo prestígio da Justiça, por suas prerrogativas e pela dignidade de suas funções, e por tratar com urbanidade magistrados, advogados, as partes, testemunhas, funcionários e auxiliares, o que segundo o CNMP vai contra o artigo 145 da Lei Orgânica do Ministério Público do Estado da Bahia – Lei Complementar Estadual nº 11/1996.
Relator do processo no conselho, Luciano Nunes Maia alegou que entre fevereiro de 2017 e junho de 2018, o promotor de Justiça, impôs a uma servidora do MP/BA, de modo reiterado, tratamento desrespeitoso, grosseiro e constrangedor e, nas mesmas condições de modo e local, até setembro de 2018, destinou tratamento igualmente desrespeitoso, grosseiro, constrangedor e humilhante a diversas pessoas, especialmente mulheres, que buscaram atendimento nas sedes da promotoria.
Ainda de acordo com o CNMP, os elementos de prova acostados aos autos demonstram, de forma coesa, a autoria e a materialidade das faltas funcionais.
Redação de Sertão em Pauta, com informações da Secom/CNMP.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.