PMs envolvidos em ação que matou dançarina em Irecê(BA) são afastados


A pós abordagem que matou a dançarina Gabriela Amorim, 24 anos, feriu a cantora Joelma Rios, 44, e o sanfoneiro Eliedelson Possidônio Júnior, 32,  na madrugada da última sexta-feira (5), no município de Irecê, no centro-norte baiano, a Polícia Militar resolveu afastar os militares envolvidos na ação. Em nota, o 7º Batalhão de Polícia Militar (BPM/Irecê), informou que os PMs, que não tiveram os nomes revelados, agora prestam serviços administrativos. 

Ainda de acordo com a corporação, um Inquérito Policial Militar (IPM) foi instaurado para apurar o caso.. Ao CORREIO, a cantora Joelma Rios, que foi ferida nas nádegas, chegou a afirmar que os militares não se identificaram aos músicos, integrantes da banda de forró Sala de Reboco, do Ceará. 
Segundo ela, ao menos 38 tiros foram disparados na direção do carro que ocupavam, uma picape Hilux SW4 preta. Ao menos dois deles atingiram a dançarina Gabriela, que morreu ao dar entrada no Hospital Regional de Irecê. O sanfoneiro Possidônio, que também chegou a ser levado para a unidade da cidade, foi transferido, no dia seguinte, para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde ficou até ser levado para o  Hospital Regional da Unimed em Fortaleza.

Coordenador da 14ª Coorpin Coordenadoria Regional do Interior (Coorpin/Irecê), Almir Fernandes, no entanto, negou ao correio da Bahia que a viatura dos militares estaria sem identificação. Almir, responsável pela investigação do caso, salientou que, ao todo, dez PMs, de três companhias diferentes, estavam no local, sendo quatro da Rondas Especiais (Rondesp/Chapada), três do 7º BPM e outros três do Pelotão de Emprego Tático Operacional (Peto). 

Por meio da assessoria, a Polícia Civil informou, nesta sexta, que “as investigações estão em curso”, mas, que, “neste momento não é interessante detalhar o andamento para não interferir na apuração”.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.