Abaré-BA: Presidente da Câmara e advogados suspeitos de fraudes têm liberdade concedida

Dado como foragido desde que foi deflagrada a Operação “Câmara Limpa”, o presidente afastado da Câmara de Abaré (BA), Adiei Antônio de Paiva Silva, teve um habeas corpus concedido nesta segunda-feira (8) pela Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). Paiva chegou a ter a prisão preventiva decretada em abril passado. Pesa contra ele, acusação de organização criminosa, fraude à licitação, falsidade ideológica e falsificação de documento público.

Também tiveram habeas corpus concedido os advogados Edevaldo Nunes Paiva e Vivaldo Oliveira Maciel e o presidente da Comissão de Licitação da Câmara, Valdeni Amâncio Gomes. Os três chegaram a ser presos. Segundo o site Bahia Notícias, a promotoria de Justiça local informou que já abriu um procedimento investigatório criminal e um inquérito civil para continuar as investigações. Os casos sob acusação teriam ocorrido entre 2017 e 2018.

No último dia 25/06, o Tribunal de Contas dos Municípios considerou parcialmente procedente denúncia formulada pelo ex-vereador de Abaré, Geraldo Rodrigues dos Santos, contra Adiei, por irregularidades em cinco licitações, todas na modalidade “Convite”. Os processos foram realizados no exercício de 2018 e alcançaram o montante total de R$164.730,00.

O relator do processo, conselheiro substituto Antônio Emanuel de Souza, determinou a formulação de representação ao Ministério Público Estadual contra o gestor para que seja apurada a prática de ato de improbidade administrativa.

As licitações questionadas tinham como objeto a contratação de pessoa física e/ou jurídica para alimentação do sistema SIGA (Convite nº 001/2018 – R$44.000,00); locação mensal de um veículo leve (Convite nº 002/2018 – R$37.730,00); prestação de serviços contábeis (Convite nº 003/2018 – R$25.000,00); prestação de serviços de controle interno (Convite nº 004/2018 – R$35.000,00); e fornecimento de combustível (Convite nº 005/2018 – R$23.000,00).


Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.