Vereadores aprovam redução dos próprios salários de R$ 6 mil para R$ 1,2 mil

Vereadores de Arcos, em Minas Gerais, aprovaram a redução dos próprios salários, do prefeito e dos secretários: um fato que chamou a atenção dos moradores do município mineiro.

A Câmara Municipal aprovou esta semana dois Projetos de Lei que tratam da redução de salários no Legislativo e Executivo, para conter os gastos da cidade.

As propostas reduzem em 80% os salários de vereadores, 50% do salário para prefeito e vice-prefeito, e 20% dos salários dos secretários a partir da próxima legislatura, em 2.020.
A redução

Atualmente, os vereadores recebem R$ 6.149,21 por mês. Com a aprovação do Projeto de Lei, a quantia cai para R$ R$ 1.229,84.

No Executivo, o salário para o cargo de prefeito baixa de R$ R$ 24.224,41 para R$ R$ 12.112,20.

O do vice-prefeito diminui de R$ R$ 6.458,90 para R$ 5.167,12.

Já os secretários municipais, que recebem R$ 7.975,66 ganharão R$ 6.380,52.

Segundo a Câmara, os novos valores vão valer de 2.020 até 31 de dezembro de 2024.

Prefeito aprova

O prefeito de Arcos, Denilson Teixeira, afirmou que vai sancionar o projeto.

“É uma pauta da Câmara de Vereadores e, assim que o projeto chegar na Prefeitura será sancionado e devolvido ao Legislativo”.

O vereador presidente em exercício da Câmara, Henrique Sabino Messias, do PSD, disse que a redução no salários dos parlamentares vai trazer economia aos cofres do município.

“Tendo em vista que a função de vereador não exige dedicação exclusiva, e como exemplo desta casa, todos têm outras funções remuneradas, vimos que essa redução não irá afetar ninguém. Cabe lembrar, que essa redução não será colocada em prática nesta legislatura”, disse Henrique.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.