Policial militar é morto por namorada após transar com a filha dela


Três pessoas são suspeitas pela morte do policial militar Elias Matias Ribeiro, de 49 anos, lotado na Polícia Militar de Araraquara (SP). O corpo da vítima foi encontrado carbonizado no banco traseiro de um carro.
Ao G1 São Carlos e Araraquara, o delegado Fernando Bravo, Delegacia de Investigações Gerais (DIG), afirmou que a namorada do PM, a filha mais dela e um tio são suspeitos do crime e a motivação seria um vídeo em que Elias aparece transando com a filha mais nova da namorada, de 20 anos.
Jaciane Maria, de 40 anos, e Larissa Marques, de 22, foram presas na terça-feira (4) e confessaram o crime. Elas ainda não apresentaram advogado de defesa. O tio está foragido. A mãe disse ao delegado que teve a ajuda de um tio para matar o cabo, com quem se relacionava há 4 meses.
Na noite de segunda-feira (3), ela convidou o namorado para a sua casa e, após ele dormir, o tio entrou na sua casa e deu a marretada que matou Elias. Com a ajuda a filha mais velha, eles colocaram o corpo no carro do próprio policial, junto com o colchão ensanguentado e dirigiram até um canavial onde colocaram fogo no veículo. A polícia localizou na casa do tio a marreta usada no crime.
As duas mulheres tiveram a prisão preventiva pedida pela polícia e aguardam posicionamento da Justiça. Elas serão indiciadas por homicídio qualificado, por motivo fútil, recurso que impediu a defesa da vítima, além da destruição do corpo.
O carro do cabo, uma SUV Tucson, foi encontrado em chamas próximo a um canavial entre Américo Brasiliense e Araraquara. Carbonizado, o corpo deve passar por exame da arcada dentária antes do sepultamento.
O corpo carbonizado foi encontrado dentro do carro incendiado e, por conta do estado, a polícia pediu exame da arcada dentária.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.