Lúcio se emociona ao falar de Geddel: "Continuo com a mesma admiração"

O ex-deputado Lúcio Vieira Lima (MDB) se emocionou ao falar do irmão, o Geddel Vieira Lima. O ex-parlamentar federal afirmou, em entrevista ao programa "Jornal da Cidade - 2ª Edição, com José Eduardo", na noite desta terça-feira (4), que o ex-ministro baiano está preso sem ser julgado. "Ele não foi julgado. A única coisa que ele foi julgado foi a coisa de obstrução de Justiça", ressalta.
Lúcio afirma que mantém uma ligação "à distância" com ele. "Continuo com a mesma admiração. Não mudou nada. [...] Tenho muita saudade dele", destaca, com os olhos marejados. Segundo o ex-deputado, a maior dificuldade foi fazer a campanha de 2018 sem a presença do familiar.
"Você fazer fazer uma campanha política sozinho, quando vai discursar, olha para o lado e não vê ele? Meu momento de choro era dentro do avião e no banho", lembra. "Não é a falta do político. É do irmão".
Lúcio revela ainda que visita Geddel sempre. "A situação ruim não é estar lá. Geddel acorda todo dia sem saber se minha mãe está viva ou está morta".
Geddel, preso desde 8 de setembro de 2017, responde a processo após a Polícia Federal encontrar R$ 51 milhões em dinheiro vivo em um apartamento localizado na Barra, em Salvador. Suspeitos de lavagem de dinheiro e associação criminosa, os irmãos emedebistas respondem pela ação no Supremo Tribunal Federal. No dinheiro, foram encontradas digitais de Geddel. Em contrapartida, a defesa dos dois pede que a inocência seja reconhecida.
"É uma guerreira", diz Lúcio sobre a mãe
Indagado sobre a situação da mãe, Marluce Vieira Lima, o ex-deputado revela: "São coisas que não era nem para eu ficar falando. Minha mãe tem problemas de locomoção, de joelho, há muito tempo. Há anos só sei de casa de cadeira de rodas. Fica sozinha no apartamento com os funcionários". E completa: "Não temos mais o tempo para nos dedicarmos, agora ali é uma guerreira. Toma os medicamentos dela, reza muito para Santa Rita".

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.