Jeremoabo-BA: perseguição de policiais a ciganos após morte de PM é investigada

A perseguição à uma comunidade cigana em Jeremoabo, no nordeste baiano, após a morte de um policial militar durante uma discussão com ciganos em um bar, é investigada pelo Ministério Público Federal (MPF). O crime ocorreu no dia 2 de novembro de 2017.
Na época, dois ciganos também morreram. Um inquérito instaurado pela Polícia Civil investiga o motivo da morte do policial José Bonfim Lima, além dos assassinatos dos ciganos Lwillys Messias da Silva e Donizete Alves da Silva.
De acordo com o órgão federal, em março do ano passado foi instaurado um procedimento preparatório que apura supostas perseguições à comunidade após o episódio. As informações estão em uma portaria assinada pelo procurador da República Edson Abdon Peixoto Filho, publicada nesta sexta-feira (3).
Suspeitos de matarem o policial, Jelson da Silva, o "Gelson Cigano", os filhos dele, Bruno Jordão Matos da Silva e Rogério Matos da Silva, além de Cosme de Jesus Silva e Carlos Daniel dos Santos Lima, foram presos em um imóvel do bairro Saudade II, em Castanhal,  no estado do Pará. Com eles, os policiais encontraram duas armas de fogo e cerca de R$ 28 mil em espécie.
Testemunhas relataram para polícia que o PM José Bonfim Lima brigou no bar com os filhos de Jelson, mas o pai dos rapazes não estava no estabelecimento. Houve luta corporal e um dos homens tomou a arma do policial, fugindo em seguida. Portando uma segunda arma, José foi à casa de Jelson e dos filhos. Houve troca de tiros e o policial que estava na corporação há 14 anos morreu.
À reportagem, a assessoria da Polícia Militar informou que todas as medidas penais e administrativas foram adotadas pela unidade operacional que detém a responsabilidade pela área de atuação no município de Jeremoabo. Acrescentou ainda que a corporação coloca-se à disposição do colegiado do MPF para colaborar no que for possível e necessário para cumprir o mister constitucional do procedimento instaurado

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.