Com base do governo cada vez mais indefinida, deputados não querem relatar Previdência


Recentes atos e declarações do governo têm dificultado a consolidação de uma base de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, e esta incerteza acarretará ainda mais dificuldade à tarefa do escolhido de conseguir aprovar a emenda no colegiado. Por isso, integrantes da CCJ avaliam que há uma relutância em se assumir este protagonismo neste momento.

O sentimento foi relatado ao Broadcast/Estadão por líderes partidários e deputados que são membros da Comissão. "Além do partido do próprio presidente, o PSL, é difícil achar alguém que se sinta à vontade para defender o governo na Casa agora", afirmou um parlamentar.

O mais recente acontecimento que causou descontentamento no parlamento foi o decreto editado nesta semana pelo presidente sobre a nomeação de cargos. A medida estabelece critérios mínimos para o preenchimento de cargos, mas deixou brechas para que as indicações políticas continuem a ocorrer. Nas exigências estão desde tempo mínimo de experiência na área até especializações como mestrado ou doutorado.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta terça-feira, 19, que há um consenso para alterar o decreto. Segundo ele, líderes cobraram que a medida seja retroativa para todas as nomeações feitas pelo atual governo desde a posse.

Outro fato recente que causou irritação nos parlamentares foi a presença de um dos filhos de Bolsonaro, o vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ), no Planalto na última segunda, 18. Na passagem por Brasília, Carlos publicou em suas redes que estaria "desenvolvendo linhas de produção solicitadas pelo Presidente Jair Bolsonaro".

A falta de dedicação de Bolsonaro nas redes sociais para a aprovação da PEC, assim como a viagem do presidente aos Estados Unidos, também gera desconfiança entre os parlamentares sobre qual é a verdadeira pauta do governo.

Nos bastidores, há ainda outro episódio que atingiu diretamente o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Interlocutores de Maia notaram, nos últimos dias, um aumento de ataques a seu nome nas redes sociais, devido a declarações do deputado que defendem algumas mudanças na Nova Previdência e também devido ao pacote de medidas do ministro da Justiça, Sérgio Moro. As críticas publicadas na internet apareceram principalmente em perfis conservadores que costumam impulsionar as postagens do governo de Jair Bolsonaro na rede. 

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.