Paripiranga-BA: Prefeito Justino Neto vira réu e pode perder cargo por suposta improbidade administrativa


A Justiça Baiana aceitou denúncia oferecida pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) contra o prefeito de Paripiranga, no Nordeste da Bahia. De acordo com o órgão estadual, Justino Neto (PV) contratou no ano de 2017, sem licitação, a locação de uma máquina retroescavadeira com operador, para ações de mitigação aos efeitos da estiagem, no valor de R$ 152.490.
Ainda de acordo com o MP-BA, o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) chegou a aplicar uma multa de R$ 3.000, “reconhecendo que a contratação estava desvinculada do atendimento da situação climática”.
Diante da situação, o Ministério Público pediu à Justiça, em ação civil pública, a condenação do prefeito por improbidade administrativa, por ter contratado irregularmente e desnecessariamente um serviço de locação de retroescavadeira; o ressarcimento integral do dano ou lesão ao patrimônio público por ação ou omissão, dolosa ou culposa, no valor de R$ 152.490; a perda da função pública de prefeito do município; a suspensão dos seus direitos políticos pelo prazo de 5 a 8 anos, e o pagamento de multa civil de até 2 vezes o valor do dano causado.
Além disso, o MP pede solicita que o prefeito seja proibido de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 anos, a contar do trânsito em julgado da sentença, e também perda de bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio dele.
Em sua decisão, o juiz André Andrade Vieira afirmou que “há indícios suficientes para a propositura da presente ação civil pública”. O prefeito tem 10 dias para se manifestar diante da Justiça. Relembre o caso aqui! matéria exclusiva do Portal Carlino Souza em 28 dezembro de 2018.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.