Dono de posto é preso por vender combustível adulterado em Santa Brígida-BA


O proprietário do posto de combustível Nilo, localizado no Km 40 da BR-110, em Santa Brígida foi preso em flagrante por vender produto adulterado.

A prisão foi comandada por uma equipe do 20º Batalhão de Polícia Militar na manhã desta sexta-feira, dia 12 de outubro.

Segundo relatório da polícia, a prisão ocorreu após denúncia de um consumidor. “Um cliente realizou o abastecimento de 54,3 litros de álcool, conforme comprovante da nota fiscal no posto NILO, KM 40, na BR 110 e seguiu viagem sentido Jeremoabo, contudo, seu veículo apresentou problemas no desempenho. A vítima retornou e pouco à frente percebeu que seu veículo perdeu força”.

O consumidor resolveu então voltar ao posto Nilo e solicitou que fosse realizada uma análise do combustível da bomba onde foi abastecido seu veículo, porém, diante da dificuldade de ser atendido, o homem solicitou a presença da polícia para conduzir o caso.

Os policiais ao chegarem ao local mantiveram contato com o proprietário, Maurício Feliz Nilo, 53 anos, que afirmou não haver condições do estabelecimento realizar o procedimento, previsto em lei.

Os policiais então, resolveram coletar amostra do combustível, e juntos com o empresário, uma funcionária do estabelecimento e a vítima se deslocaram até a delegacia de Paulo Afonso, contudo, pararam antes em outro posto de combustível, e realizaram o teste, onde segundo a polícia ficou constatado a adulteração no combustível comprado no posto Nilo, uma vez que o resultado apresentou valores abaixo do exigido em tabela por lei.

Na delegacia foi registrada a ocorrência e o flagrante em desfavor do proprietário pelos crimes de estelionato e contra a ordem econômica.

Ozildo Alves

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.