Oito suspeitos de envolvimento na morte do Capitão Oliveira são mortos em confronto com a polícia

A Secretaria da Segurança Pública  (SSP) deflagrou nesta sexta feira, dia 19, uma operação para prender os responsáveis pelo envolvimento com morte do capitão Manoel Oliveira, então comandante da Companhia Integrada de Patrulhamento em Áreas de Caatinga. 
As investigações foram coordenadas pelo Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), que se baseou nas informações checadas através do 181 e pelas diligências realizadas na investigação policial. 
Sabe-se que a ação contra o comandante da caatinga mantém relação com um trabalho da Secretaria da Segurança Pública  contra piatolagem, parte na região Norte da Bahia e alto sertão de Sergipe. 
A operação aconteceu em setembro de 2017 e prendeu um trio relacionado com o crime de pistolagem na Bahia, Sergipe e Alagoas e tinha como foco em Pedro Alexandre, na Bahia. 
Até o momento houve sete confrontos com investigados em Aracaju, Poço Redondo, Barreiras (BA), Paulo Afonso (BA). Três foram presos e serão conduzidos ao Complexo de Operações Policiais Especiais  (Cope).
Oito mortos
Oito elementos morreram em confronto com a polícia.
Duas mortes em Aravaju, 2 em Poço Redondo, 2 em Barreiras (BA) 1 em Luiz Eduardo Magalhães (BA) e 1 em Paulo Afonseo (BA).
A SSP informa que haverá desdobramentos considerados importantes até a próxima segunda-feira.
De acordo com as investigações, esse grupo criminoso teve envolvimento direito na morte de um PM e um comerciante de Carira, de um vereador em Poço Redondo e do ex-prefeito de Pedro Alexandre, Petronio Pereira Gomes.
Ex-PM e líder entre os mortos
O líder desse grupo criminoso atendia pelo nome de Jackson e morreram na operação policial esta sexta-feira.
Jackson planejava matar outro policial, cujo nome ainda não foi revelado.
Entre os mortos, está o ex-PM Braz, que se envolveu na morte do deputado Joaldo Barbosa.
Ex-PM montou empresa de segurança.
Envolvido no assassinado do então deputado, Braz foi excluído da Polícia Militar e preso. Solto, montou uma empresa de segurança.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.