Mulher mata amante do marido com tiro na cabeça e se entrega à polícia


Adriana Alexina Leal, de 38 anos, se entregou à polícia na última segunda-feira na zona rural de Catalão, em Goiás, depois de matar sua funcionária e amiga Ana Vitória Pereira, de 19, com um tiro na cabeça, na tarde de sábado. A delegada Alessandra Castro, da Delegacia da Mulher de Catalão, afirma que a vítima mantinha uma relação extraconjugal com Frederico, o marido de Adriana.
A Polícia Civil informou que a mulher chegou ao bar, de propriedade dela e do marido, acompanhada da vítima, que era sua funcionária. Segundo testemunhas, foi ouvido um disparo na cozinha, e Adriana saiu com um revólver cromado nas mãos. Segundo o boletim de ocorrência, Frederico viu o corpo estendido no chão e perguntou para a assassina se ela também iria matá-lo. Ela disse que não, porque ‘ele ainda teria que cuidar do filho de 2 anos do casal’. Amedrontado, ele fugiu na garupa de uma moto e entrou em um matagal.
Em seguida, Adriana também fugiu em um carro, mas se entregou à polícia levando também a arma do crime, de propriedade do marido, que não tinha autorização para tê-la. A delegada disse que o homem provavelmente será processado por porte ilegal de arma.
A autora do crime responde ao processo em liberdade. “A lei diz que quando a pessoa se apresenta à delegacia, auxilia nas investigações e é ré primária, pode responder em liberdade, desde que não cometa outras irregularidades”.
A responsável pela investigação na Delegacia da Mulher diz que Adriana cometeu o crime de homicídio e que está aguardando os laudos produzido por peritos para avaliar se haverá qualificação, o que pode aumentar a pena de 6 a 20 anos de prisão para entre 12 e 30 anos. Se não cometer outro delito, Adriana só deverá ser presa depois de condenada.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.