Inconformado com separação, jovem tira a vida da própria irmã

Uma jovem, de 22 anos, foi morta a facadas pelo próprio irmão, durante uma discussão familiar, na manhã desta quinta-feira (4). O crime o dentro de uma casa em Mongaguá, no litoral de São Paulo, na frente do pai de ambos, que é cadeirante e não conseguiu defender a filha.
De acordo com informações da polícia, os irmãos começaram a discutir em uma residência localizada na Avenida Atlântica. Pedro Miranda, de 19 anos, se exaltou durante a discussão e esfaqueou a irmã, Vitória Miranda Costa, que não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Segundo informações da polícia, o pai é deficiente físico e presenciou todo o ataque de fúria do filho, mas não teve forças para ajudar a salvar a garota. Após matar a irmã, Pedro fugiu do local em uma moto e não foi mais encontrado.
Ainda segundo a polícia, o motivo da confusão foi o término do relacionamento de Pedro com a namorada. Antes de atacar a irmã, ele passou a acusá-la de ser a responsável pela separação do casal, já que teria falado mal dele para a garota.
O caso foi encaminhado para a Delegacia Sede de Mongaguá. Já o corpo de Vitória foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Praia Grande e acabou sendo liberado no início da tarde desta quinta-feira. A polícia segue procurando pistas sobre o autor do crime.
Irmãos não se davam bem
Segundo o apurado pelo delegado, a relação de Pedro com os parentes não era boa. Contra o rapaz, há três boletins de ocorrência registrados: um de violência doméstica, sendo a irmã a vítima, outro de maus-tratos contra o pai, e mais um por roubo, ocorrido na cidade. “Pedro mantinha um relacionamento, e essa mulher morava com ele há pelo menos dois anos. O pai sustentava os dois e chegou um momento em que pediu para que ambos saíssem de casa, mas eles terminaram justamente pelas brigas constantes, por ciúmes e pela vida pregressa do rapaz”, disse o delegado.
Após ingerir bebida alcoólica e ficar alterado, ele ouviu a frase da irmã. Em seguida, de acordo com a polícia, ele voltou ao quarto do pai e a apunhalou pelas costas. “A jovem tentou se defender, mas não conseguiu. O pai viu tudo. Foi ferida gravemente no rosto e acabou morrendo ali mesmo, no local”, afirmou Mattos.
Vitoria foi encontrada pela ex-cunhada, que foi à residência para buscar os bens pessoais depois de ter terminado o relacionamento com Pedro. O aposentado, que assistiu ao crime, não conseguiu socorrer a filha, nem pedir ajuda, pois, segundo a polícia, era incapaz de sair da cama. “Aguardamos a apresentação do Pedro ao longo do dia. Como isso não aconteceu, solicitamos a prisão temporária dele ao plantão judiciário. Também não encontramos a faca utilizada. O inquérito está aberto”, informou o delegado. A expectativa é que o açougueiro seja localizado e preso ainda nos próximos dias, segundo a Polícia Civil.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.