Delator entrega recibo de relógio de R$ 50 mil dado de presente a Geddel

O executivo Cláudio Melo Filho, um dos delatores da Odebrecht na Operação Lava Jato, entregou ao Ministério Público Federal o recibo da compra de um relógio suíço Patek Philippe, dado de presente ao ex-ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo/Michel Temer) em março de 2009.
Na nota fiscal da H.Stern consta o valor de R$ 50 mil. Naquele ano, Geddel exercia o cargo de ministro da Integração Nacional do Governo Lula. Cláudio Melo Filho relatou à Lava Jato que o presente foi dado a Geddel pelo aniversário de 50 anos do ex-ministro. "Em março de 2009, demos, em nome da Odebrecht, um presente relevante a ele", afirmou o delator no anexo de sua delação.
"Compramos um relógio Patek Philippe, modelo Calatrava, que foi enviado juntamente com um cartão assinado por Emílio Odebrecht, Marcelo Odebrecht e eu. A compra se deu na loja H. Stern em São Paulo e foi efetivada pelo escritório de Brasília. Conforme nota fiscal, o relógio custou R$ 50 mil."
Geddel é alvo de duas petições decorrentes da delação da Odebrecht. Uma deverá ser enviada à Justiça Federal da Bahia e outra à Justiça Federal do Piauí. A investigação remetida à Bahia apura pagamentos de vantagens indevidas a Geddel "em virtude dos contratos referentes ao Transporte Moderno de Salvador II" e também repasse de valores "a pretexto de contribuição de campanha nos anos de 2006 e 2014".
Neste caso, Cláudio Melo Filho narrou contrapartida consistente em apoio para a aprovação da Medida Provisória nº252/2005. A petição enviada ao Piauí aponta dois pagamentos em favor de Geddel, no valores de R$ 155 mil no dia 13 de julho de 2010 e R$ 55 mil no dia 21 de setembro de 2010. Os repasses estariam ligados à obra Tabuleiros Litorâneos da Parnaíba. A reportagem procurou a defesa de Geddel Vieira Lima.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.