Jaguaquara-BA: Idosos conduzidos pela PM por jogar dominó entram com ação contra Estado

O grupo de 16 idosos que foram conduzidos à delegacia de Jaguaquara em 17 de março entrou com ação contra o Estado por calúnia, exposição ao constrangimento e desrespeito ao Estatuto do Idoso.
A condução feita pela Polícia Militar teria sido motivada por indícios de que os envolvidos jogavam dominó apostado – o que se configura contravenção penal por jogo de azar -, em um local considerado ponto de usuários de drogas. “Isso é uma tremenda mentira. (…) Na delegacia falaram que o pessoal do dominó poderia ir embora.
Se tivesse alguma prova, não liberava ninguém. Se pegasse alguém com drogas, não liberava”, defendeu o técnico em enfermagem Joselito Souza, 47 anos, um dos conduzidos à delegacia. Em contato com o Bahia Notícias, o funcionário do Hospital de Jaguaquara contou que os polciiais chegaram na praça à procura de jogo de baralho apostado e como viram que não tinha nada, mas não podiam voltar de mãos abanando, por ordem do promotor da cidade, decidiram conduzir os idosos. “Como não devíamos nada, fomos.
Quando ele pediu pra gente ser conduzido até a delegacia, eles expuseram nós circulando na praça, um segurando na mão do outro, expondo a gente perante a população”, relatou. De acordo com Joselito, havia na ação idosos de 80 anos, que malmente conseguiam andar. “A polícia está muito despreparada. Houve três arrombamentos na cidade e a polícia não soube de nada”, criticou.
(Do BN)

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.