Tragédia: pai é suspeito de atear fogo na casa e matar 5 pessoas da família

Um homem identificado como Gilson de Jesus Moura, 49 anos, é acusado de atear fogo na casa onde residia com a família,  no bairro Mangabeira, em Feira de Santana, por volta das 4h40 desta quarta-feira (4). Segundo  o Corpo de Bombeiros, cinco corpos foram encontrados no interior da residência, localizada no residencial Alto do Rosário, inclusive de crianças. Duas pessoas ficaram feridas.

Morreram no incêndio Thays de Jesus Moura, 13 anos, Carlos Alexsandro de Jesus Moura, 9 anos, e Xayane Vitória de Jesus Moura, 8 anos;  filhos do acusado, a enteada dele, Emile de Jesus Moura, 16 anos, que estava grávida de cinco meses, e o filho de Emile, de prenome Enzo.
Vizinhos informaram ao Acorda Cidade que depois de atear fogo na casa, ele trancou a família e fugiu em um carro.

Os vizinhos arrombaram a porta e tentaram salvar as vítimas, mas conseguiram retirar apenas a esposa dele, Ana Cristina de Jesus, 37 anos, e Aila Daniela de Jesus Moura, 3 anos. Elas foram socorridos para o Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA) e Hospital Estadual da Criança (HEC). O estado de saúde não foi informado.
O Corpo de Bombeiros esteve no local e debelou as chamas. “Segundo informações de vizinhos ele já tinha prometido que iria cometer uma chacina com a família. Já estava discutindo com a esposa desde domingo e teria levado a gasolina para a residência na segunda-feira. Na madrugada de hoje, usando o combustível, ele ateou fogo na casa. Os vizinhos disseram que ele sentia ciúmes da mulher e tinha intrigas com a enteada”, informou ao Acorda Cidade o capitão da Polícia Militar, Fábio Silva.

Segundo a polícia, o acusado fugiu em um veículo VW, Gol, cor vermelha, placa identificação com números 1723. As guarnições da 66 ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM) realizaram diligências em busca do autor, mas até o momento ele não foi preso. Na residência onde o crime aconteceu funcionava um bar e mercearia.
“Ele vai pagar”, diz filho

Bastante abalado o filho do acusado, Gilson de Jesus Moura Júnior, lamentou o fato de ter pedido as irmãs. “Eu estive aqui no final do ano, brinquei com minhas irmãzinhas, eu me relacionava bem com todos. Eu sou casado, e se eu tivesse aqui eu teria morrido também. Ele não teve pena de nenhum dos filhinhos dele, mas ele vai pagar. Eu chegava aqui e elas me abraçavam, todos gostavam de mim, a esposa dele é brincalhona. Eu estava dormindo em casa e uma pessoa bateu na porta dizendo que estava tendo um incêndio, mas eu não sabia que era nestas proporções. Ele vai pagar. Isso é falta de Deus no coração”, declarou Gilson Júnior.


Acorda Cidade

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.