TSE identifica 93 mil doadores de campanhas sem renda compatível; mortos também doaram

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) identificou 93 mil pessoas de baixa renda ou com ganhos incompatíveis às doações que fizeram para candidatos a prefeito e a vereador nas eleições do próximo domingo (2). 

Ao todo, essas pessoas teriam doado R$ 300 milhões. Os números levantam suspeitas de que algumas campanhas utilizaram CPFs de pessoas comuns para aumentar a arrecadação dos candidatos. O financiamento privado está proibido nas eleições deste ano. 

Segundo o TSE, 22,4 mil inscritos no Bolsa Família teriam doado cerca de R$ 21,1 milhões para campanhas. O número é de doadores desempregados é 46,7 mil, que contribuíram com R$ 52 milhões. 

Um único eleitor sem emprego, conforme o mapeamento, desembolsou R$ 100 mil a um postulante a prefeito de Porto Alegre. Segundo os dados, 23,8 mil cidadãos não possuem renda compatível com as doações. Juntos, teriam participado com R$ 227,5 milhões, sendo que 31 deles aparecem como donos de repasses acima de R$ 300 mil. Até mortos teriam feito doações. 

De acordo com o TSE, 143 pessoas já mortas doaram cerca de R$ 272 mil. Os dados não diferenciam contribuições financeiras e doações estimativas. Esta última ocorre quando um voluntário presta serviço ou cede algum bem ou material à campanha. A pesquisa é realizada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) a partir de um cruzamento de dados da Justiça Eleitoral. Ao todo, o TCU listou 12 categorias em que surgiram indícios de irregularidades, tanto por parte de doadores quanto de empresas que prestam serviço às campanhas. 

A pesquisa ainda será realizada após a votação e é repassada ao Ministério Público e aos juízes eleitorais para que possam decidir se abrem investigações. Se for comprovada a participação do candidato em fraudes, seu registro pode ser cassado.

(BN)

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.