Aleluia garante luz mais barata para população carente

O deputado federal José Carlos Aleluia (DEM-BA) garantiu a manutenção da isenção de taxa sobre a Tarifa Social de Energia na nova legislação do setor elétrico aprovada pelo Congresso Nacional, que agora aguarda sanção da Presidência da República. 

Relator da Medida Provisória 735/16 que altera leis na área de energia, Aleluia impediu que a cobrança da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) fosse paga também pelas populações mais carentes. 

“Com a mudança no rateio da CDE, o maior custo proporcional acabaria ficando com o consumidor mais carente. Propus, então, a isenção da taxa para a Tarifa Social que foi aprovada e corrigiu esse problema”, explicou o parlamentar da Bahia.  

A nova legislação a ser sancionada pelo presidente Michel Temer, além da mudança no rateio da CDE, prevê o Plano de Modernização das Distribuidoras e abre a possibilidade de privatização das empresas distribuidoras estaduais que foram federalizadas.

Na avaliação de Aleluia, a legislação do setor elétrico estava obsoleta e foi necessário modernizá-la. “Fazendo uma comparação com o setor de telecomunicações, o setor elétrico ainda está no tempo do telefone fixo”. 


Aprovado na Câmara e no Senado, o relatório de autoria do deputado baiano foi elogiado por diversos senadores que ressaltaram o caráter democrático e o perfil técnico que Aleluia desempenhou durante a tramitação do projeto no Congresso. 

“Queria aplaudir o trabalho do deputado Aleluia que relatou a matéria. Um trabalho acolhido pela comissão e agora aprovado pelo Senado”, comentou o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO).

ASCOM

Ainda não segue CARLINO SOUZA nas redes sociais? Corre lá!
Twitter.com/CarlinoSouza

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.