Deputado baiano recebeu promessa de liberação R$ 19 milhões em emenda para votar contra impeachment

O surpreendente voto do deputado do PR, Wellington Roberto, contra o processo de impeachment teve um preço: foram R$12 milhões liberados para emendas parlamentares. A Paraíba aguarda para saber em que projetos o deputado investirá a verba federal.


O recurso veio do Ministério da Integração Nacional e de acordo com planilha obtida pelo Estado, seis dos dez deputados favoráveis ao governo foram beneficiados. O documento indica que R$ 10,5 milhões já foram empenhados. A relação chegou ao ministério na última sexta-feira, 15, e os empenhos foram feitos na manhã de segunda-feira, 19, um dia após a votação. O deputado José Rocha (BA - FOTO ACIMA) foi o que recebeu promessa de maior liberação de recursos – R$ 19 milhões.



Em relação aos empenhos já realizados, o deputado Vicentinho Júnior (TO), é o destinatário de um total de R$ 4,5 milhões. O deputado Édio Lopes (RR) teve R$ 6 milhões empenhados.



A lista continua com R$12 milhões a serem  liberados para Wellington Roberto (PB), R$ 6 milhões para João Carlos Bacelar (PR-BA) e R$ 3 milhões para Aelton Freitas (MG), líder da bancada.



Outros quatro deputados votaram contra o impeachment, mas não aparecem na lista de deputados do partido que tiveram emendas contempl2adas: Brunny (MG), José Carlos Araújo (BA), Lúcio Vale (PA) e Zenaide Maia (RN). Os deputados Gorete Pereira (CE), Sebastiao Oliveira (PE) e Vinícius Gurgel (AP) se abstiveram. A deputada Clarissa Garotinho (RJ) está no final de uma gestação e não apareceu para votar.



Senado. Dos quatro senadores do PR, apenas um se declara contra o impedimento, segundo o Placar do Impeachment do Estadão. Vicentinho Alves já teve empenhados R$ 5,3 milhões.

Fala Bahia

Ainda não segue CARLINO SOUZA nas redes sociais? Corre lá!

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.