Ex-prefeito de Campina Grande(PB), Veneziano Vital é acusado de emitir R$ 12 milhões em cheques sem fundos

Ele denunciou que muitas empresas, que receberam os cheques emitidos em sua grande maioria no ano de 2011 ao final de 2012, não tinham nenhuma relação credora com a Prefeitura Municipal de Campina Grande (PMCG).


A Procuradoria Geral de Campina Grande acusa o ex-prefeito Veneziano Vital do Rêgo (PMDB) de ter emitido cheques sem fundos no valor de R$ 12 milhões durante dois anos.


O procurador-geral, José Mariz, explicou em entrevista à Rádio Campina FM nesta quinta-feira, 21, que o problema foi identificado através de extratos enviados para o Tribunal de Contas do Estado (TCE).


– Na verdade, são quase R$ 12 milhões de cheques sem fundos. A auditoria da Secretaria de Finanças do município de Campina Grande identificou que alguns balancetes enviados pelo ex-prefeito ao Tribunal de Contas continham extratos bancários que não guardavam fidelidade com os originais. Quando foi feito o cruzamento de informações dos extratos bancários enviados ao Tribunal de Contas com o extratos oferecidos pelo próprio Banco do Brasil, se verificou alguns fatos extremamente curiosos. Por exemplo, no extrato original apresentava a informação que existia a devolução de cheque sem provisão de fundos e no extrato que ia ao Tribunal de Contas não existia essa informação. A auditoria, criteriosa, mandou buscar mais informações – revelou.


Ele denunciou que muitas empresas, que receberam os cheques emitidos em sua grande maioria no ano de 2011 ao final de 2012, não tinham nenhuma relação credora com a Prefeitura Municipal de Campina Grande (PMCG).


Mariz disse que a denúncia foi encaminhada ao Ministério Público (MP).


*As informações foram veiculadas na Rádio Campina FM

Acompanhe o Blog do Carlino Souza também pelo InstagramTwitter™ e pelo Facebook

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.