Após tomar gaia, homem mata própria mulher e vice-prefeito dentro de prefeitura

Depois de matar Elizangela, o marido viajou mais de 150 quilômetros até Choró, onde matou o vice-prefeito e tentou se matar dentro da prefeitura.

Vice
Um triângulo amoroso seria a causa da tragédia que provocou mortes em Fortaleza e no município de Choró, a 155,7 quilômetros da Capital. O vice-prefeito de Choró, Sidney Cavalcante Sousa, 42, foi feito refém dentro da prefeitura e morto, no fim da manhã de ontem, por Francisco Roberto de Oliveira, 46, que tentou se matar em seguida. Durante as negociações, o homicida revelou à Polícia que havia matado a esposa, Maria Elizangela Gomes Lemos, 35, no último domingo, 22, e deixado o corpo dela congelado na casa do casal, em Fortaleza. Roberto disse que motivo para o crime foi romance que o político supostamente mantinha com Elizangela.
Conforme a titular da Delegacia de Quixadá, Ana Cláudia Nery, informações preliminares indicavam que, além do vice, haveria outras pessoas mantidas reféns, inclusive o prefeito. Posteriormente, constatou-se que apenas ele e o vice estavam dentro da sala.

“Quando cheguei lá, o homem estava dentro do gabinete, com a porta fechada. Quando soube que a delegada havia chegado, disse que queria conversar. Ele contou que tinha quatro pessoas e havia ido lá, pois o vice-prefeito tinha se envolvido com a mulher dele. Foi quando comentou do homicídio da própria esposa no domingo e que havia colocado o corpo dela no freezer”, relatou.

A negociação durou três horas — descritas pela delegada como “maçantes”, tendo em vista que Roberto falava a todo momento sobre os filhos, dizia que estava arrependido, que queria se entregar e pedia ajuda. “Conversamos por 40 minutos por telefone. Foi quando ele disse que ia deixar a arma no chão e voltar para o fundo do gabinete. Nesse meio tempo, quando achávamos que ele estava indo até a porta, ouvimos o disparo”, descreveu a delegada. Roberto atirou na própria cabeça.

De acordo com o perito Neto Cabral, que atendeu o caso, os tiros atingiram a região torácica e cabeça do vice-prefeito Sidney. Já Roberto foi encaminhado ao Instituto Doutor José Frota (IJF), no Centro de Fortaleza. Até a noite de ontem, ele estava na sala de ressuscitação.
A delegada acredita que Roberto já estava com o político morto dentro do gabinete quando a negociação começou. Ela disse que, em conversa com o delegado George Monteiro, da Divisão de Homicídios, o homicida repassou o local onde o corpo de Elizangela estava — no condomínio na avenida Augusto dos Anjos, onde o casal morava com os dois filhos. As crianças foram deixadas por Roberto com familiares antes de viajar para cometer o crime.
Saiba mais
O pai do vice-prefeito, Francisco Francimar, ainda abalado, relatou que não tinha conhecimento sobre qualquer relacionamento extra-conjugal do filho e relatou que Sidney era casado e pai de dois filhos. Sidney (PT) foi eleito vice-prefeito de José Antônio Rodrigues Mendes no ano de 2012. Um primo também conversou com O POVO e disse que todos ainda estavam confusos com o ocorrido. 
Repercussão
Maria de Lourdes, 38, mora em Choró e disse que nunca havia visto tanta movimentação na cidade. Ela estava em casa quando chegou a notícia do falecimento do político. “Chegou a Polícia umas três horas depois. Ele e a família eram conhecidos. Uma pessoa simples, como a gente. Foi a primeira vez com esse tanto de Polícia em Choró. Os familiares vieram pra cá, todos em desespero”, contou.
Vice 2
As informações são do site O POVO

Acompanhe o Blog do Carlino Souza também pelo InstagramTwitter™ e pelo Facebook

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.