Menina de 12 anos tem filho com o próprio pai em Natal-RN

Um pedreiro foi preso na noite desta terça-feira (3) no bairro da Cidade da Esperança, zona Oeste de Natal, suspeito de abusar sexualmente da própria filha quando ela tinha 12 anos. Ele morava com a garota em São Gonçalo do Amarante, na região Metropolitana, mas foi para a capital na tentativa de escapar da polícia. De acordo com a Polícia Civil, a garota, que hoje tem 14 anos, teve um filho do próprio pai. A prisão foi feita pelo delegado Márcio Delgado, titular da Delegacia de Polícia Civil da cidade. Em depoimento, o suspeito alega que foi seduzido pela filha.
Segundo o delegado, o homem se preparava para fugir quando foi abordado na residência de uma outra filha, no bairro Cidade da Esperança, quando se preparava para fugir em direção à cidade de Mossoró, na região Oeste do Rio Grande do Norte. Delgado contou ao G1 que pessoas próximas à adolescente começaram a suspeitar do abuso e obrigaram o homem a realizar um exame de DNA, que comprovou a paternidade. “Depois que saiu o resultado do exame, foi expedido um mandado de prisão e nós cumprimento a ordem judicial”, confirmou.
Ainda de acordo com Márcio Delgado, a vítima confirmou que depois que a criança nasceu o suspeito parou de praticar os estupros, apesar de tê-los cometido por diversas vezes antes. O pedreiro será encaminhado para um Centro de Detenção Provisória que tenha uma ala especial para pessoas que cometeram crimes de abuso sexual.
Acompanhe o Blog do Carlino Souza também pelo Instagram, Twitter™ e pelo Facebook

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.