Isso é Bahia: Dez PMs respondem por homicídios; juiz retira família da cidade após denúncias

Major Florisvaldo Ribeiro

Dez policiais militares que atuam ou atuaram em Rio Real sob o comando do major Florisvaldo Ribeiro, responsável pela 6ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), respondem a processos na Justiça por crimes de homicídio, tentativa de homicídio e tortura praticados no município do nordeste baiano.

Reportagem do Correio mostrou que os rio-realenses vivem um clima de medo, com diversos relatos de abusos cometidos por policiais, suspeitos até de integrar um grupo de extermínio. Conforme nova denúncia, os dez PMs respondem a sete processos no Fórum da cidade.

Os soldados Lenildo José da Silva, Valney de Jesus Silva e Anderson Clay Batista dos Santos respondem por homicídio. Apesar dos processos, segundo o juiz da comarca local Josemar Dias Cerqueira, os três continuam no trabalho ostensivo. O soldado Edval Nepomuceno Santana é acusado de tentativa de homicídio e também estaria trabalhando normalmente em Rio Real. Respondendo a duas acusações, por homicídio e tortura, o soldado Gildásio João Barbosa da Silva é outro profissional que ainda exerce o ofício na região.

Quanto aos casos de tortura, estão sob investigação o soldado Genildo Oliveira de Lima, lotado na 6ª CIPM, os soldados reformados Evandro de Souza Alves e Ramon Rodrigues de Lima, além dos tenentes Leanderson Antônio dos Santos e Marcus Vinícius Pereira Bastos.

Nesta quinta-feira (21), o juiz decidiu retirar sua família de Rio Real. A mulher e o filho foram levados para outro município. O magistrado teme represálias após tornar públicos os relatos formais e informais sobre abusos do grupo liderado pelo major. “Com família, nós não temos segunda chance. Enquanto a Secretaria da Segurança Pública não der uma solução ao problema, minha família não fica em Rio Real”, justificou em entrevista ao diário baiano.

O comando da Polícia Militar da Bahia informou que o major Florisvaldo Ribeiro já foi ouvido e seu destino será decidido nesta sexta (22).

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.