Homem faz ex-mulher refém, tenta esfaquear PM durante negociação e é morto a tiros na Bahia

Um homem foi morto a tiros após tentar esfaquear um policial militar que negociava a liberação da ex-mulher do suspeito que estava sendo feita de refém dentro da casa dela, em Ilhéus, no sul da Bahia. A situação aconteceu na noite de quinta-feira (27) e, conforme informações da polícia, o homem não aceitava o fim do relacionamento.

De acordo com a polícia, Juraci Vieira Souza Oliveira foi à casa da ex-mulher e ao chegar lá a encontrou com o atual companheiro dela. Em seguida, ele teria ameaçado a mulher de morte. O companheiro tentou intervir e acabou sendo ferido. Ele, então, conseguiu fugir da casa e chamou a polícia. Enquanto a situação acontecia, a vítima foi feita de refém.
Durante as negociações, a vítima conseguiu correr para um dos cômodos do apartamento e a polícia entrou no imóvel. Ao perceber a presença da PM, o suspeito teria tentado esfaquear um agente e acabou sendo baleado. Ele morreu no local do crime e o corpo foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Ilhéus.
A ex-mulher de Juraci sofreu um mal-estar e o companheiro foi ferido pelo suspeito, ambos foram levados para o Hospital Costa do Cacau. Não há informações sobre o estado de saúde deles.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.