Servidores reivindicam reajuste salarial e Vereador da situação critica administração de Jair do Correio


A Câmara Municipal de Vereadores de Sitio do Quinto, na sessão ordinária desta segunda-feira, 11 de setembro, recebeu um grande número de servidores, os quais apresentaram-se acompanhados do presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais – SINSERPUB, o senhor Evando. A pauta da sessão, e motivo que levou professores, secretários escolares e auxiliares administrativos à Casa Legislativa, foi a reivindicação do reajuste salarial de 2017.

Desde janeiro, exatos 9 meses do ano se passaram e os servidores municipais de Sítio do Quinto, continuam sem o reajuste salarial constitucionalmente garantido no inciso X, art. 37 da CF/88, o qual deveria ter sido concedido naquele mês.

Em uma reunião que ocorreu em 18 de agosto na sede da Prefeitura, a qual reuniu representantes das classes de servidores interessados, secretários, assessores jurídicos, e o presidente do SINSERPUB, o prefeito proferiu a sua decisão final sobre o caso: NÃO dará o reajuste salarial. E para piorar a situação dos servidores, o prefeito ainda garantiu que somente terá condições de conceder ALGUM reajuste a partir de abril de 2018.

O Excelentíssimo Sr. prefeito sustenta a sua tese no argumento de que o Índice de Pessoal está acima do limite estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal e que a Prefeitura não dispõe de recursos financeiros para arcar com o reajuste.

Porém, o mais interessante é que tal preocupação o Sr. Prefeito não tem no momento de cumprir com os acordos políticos feitos na época da campanha eleitoral, ou seja, atolando as folhas de pagamento com cargos comissionados excessivos, contratos temporários desnecessários e gratificações exorbitantes.

Dados presentes nas plataformas do Tribunal de Contas dos Munícios – TCM/BA, e apresentados pelo senhor Evando, presidente do SINSERPUB, durante a sessão mostram que as folhas de pagamento de cargos comissionados e servidores contratados temporariamente somam aproximadamente R$ 130 mil reais. Somente a folha de cargos comissionados apresentou um crescimento exorbitante de 226% em 5 meses, ou seja, o valor foi de 30 mil reais em janeiro para 98 mil em junho.

Ainda, durante a sua fala, o senhor Evandro demonstrou os inúmeros caminhos que o senhor prefeito Jair poderia adotar para equilibrar as contas municipais e vir a conceder o reajuste salarial dos servidores municipais.

Portanto, o que se pode concluir é que não é uma questão “financeira” que impede o reajuste, mas simplesmente o descaso do prefeito Jair para com os servidores municipais, e o interesse em manter os seus acordos políticos. O mais interessante é que o prefeito hoje demonstra inteiro descaso para com a classe assalariada de efetivos municipais, foi o mesmo que fortaleceu a sua campanha e garantiu vitória nas urnas durante as eleições de 2016 em prol do cumprimento dos direitos dos servidores municipais, manifestando total interesse em empenhar-se durante a sua gestão para que a classe tivesse os seus direitos valorizados e respeitados.

Além do apoio dos vereadores da oposição, a reivindicação pelo reajuste salarial também contou com as manifestações de apoio dos vereadores da base aliada do governo. Os quais, inclusive demonstraram diversas insatisfações com a maneira que o chefe do executivo vem conduzindo a sua administração.

O vereador Ni do Planalto não poupou críticas à má administração do prefeito, segundo ele os veículos da Prefeitura estão servindo de “sucata um para o outro” e que nem a compra de “um” pneu para suprir a necessidade de determinado ônibus escolar o gestor se dá ao luxo de fazer. Conforme relato do vereador, há 15 dias ele solicitou ao setor responsável uma carrada de água para determinada família carente, mas foi informado que o caminhão-pipa estava sem um de seus pneus, porque havia sido cedido para suprir a necessidade de determinado ônibus escolar. Revoltado disse: “Sempre tive condições de comprar os pneus de meus carros, e o prefeito não pode comprar ‘um’ pneu”; E esta situação já perdura 15 dias, ou seja, com o caminhão-pipa parado porque um de seus pneus teve que ser usado em outro veículo, enquanto as famílias carentes de água aguardam até que um dia a situação seja resolvida. Isso é um absurdo, dispara. 

O fato do prefeito não atender aos munícipes, principalmente seus eleitores também foi alvo de duras críticas do Vereador Ni, que em tom de revolta e desabafo proferiu: “Quando as pessoas batem em sua porta a sua mulher ‘toma’ a porta e não deixa ninguém entrar! Abra a porta se sua casa prefeito! Não se esconda! ”. O que gerou risos da plateia, já que comentários e boatos sobre a autoridade da primeira dama são ouvidos há algum tempo.

Dentre os demais discursos dos vereadores em apoio à Luta Salarial, o vereador Rodrigo de Gilson ressaltou que seria praticamente inviável mais uma negociação pelas vias administrativas, haja vista que, além de estar à praticamente 3 meses do término do ano, diversas negociações já ocorreram no decorrer dos nove meses, todas sem sucesso.

Da redação Portal Carlino Souza

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.