publicidade

www.leomagalhaes.com.br

Farra das passagens: MPF denuncia 72 deputados, nove baianos

Nove baianos constam na lista apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) à Justiça, nesta quarta-feira (9), no âmbito da investigação sobre a denominada “farra das passagens aéreas”.

Ao todo, 72 ex-deputados são suspeitos de participarem do esquema de compra irregular de bilhetes com verba parlamentar, de 2007 a 2009 (confira a lista completa aqui).

Entre os citados, estão o secretário municipal do Meio Ambiente de Feira de Santana Sergio Barradas Carneiro (na época, PT), Uldurico Pinto (na época, PTC), o vice-prefeito de Feira de Santana Colbert Martins (PMDB), Edson Duarte (PV), o deputado estadual Fábio Souto (DEM), Luiz Bassuma (na época, PT), Fernando de Fabinho (na época, DEM), o ex-presidente do Esporte Clube Bahia Marcelo Guimarães Filho (PMDB) e o atual vereador de Salvador Maurício Trindade (DEM).
O MPF considera que os ex-parlamentares investigados compraram 13.877 bilhetes em conchavo, o que resultou em um rombo de R$ 8,3 milhões aos cofres da União.
Confira a lista completa do número de passagens supostamente compradas pelos ex-congressistas baianos, em ordem decrescente de gasto:


Fernando de Fabinho (na época, DEM) – 234 passagens – R$ 162.348,14
Uldurico Pinto (na época, PTC) – 276 passagens – R$ 148.703,08
Edson Duarte (PV) – 213 passagens – R$ 126.701,61
Maurício Trindade (DEM) – 185 – R$ 124.210,72
Luiz Bassuma (na época, PT) – 224 passagens – R$ 115.870,82
Marcelo Guimarães Filho (PMDB) – 91 passagens – R$ 72.647,06
Fábio Souto (DEM) – 167 passagens – R$ 71.807,78
Sergio Barradas Carneiro (na época, PT) – 73 passagens – R$ 49.590,26
Colbert Martins (PMDB) – 60 passagens – R$ 46.077,48

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.