publicidade

www.instagram.com/carlinosouzaoficial

Sargento da PM é preso acusado de liderar quadrilha que roubava feirantes em Senhor do Bonfim-BA

Um sargento da Polícia Militar foi preso nesta quarta-feira (12) em Senhor do Bonfim, no norte da Bahia, acusado de comandar uma quadrilha que roubava feirantes na BA-131, que liga a cidade a Campo Formoso. O PM Edwilson Carvalho da Sena, o Wisinho, trabalhava neste último município, segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP).
Segundo a investigação, o PM ficava com o lucro dos comerciantes, mas não foram informados detalhes de como a operação criminosa funcionava. Edwison foi preso em cumprimento a mandado de prisão temporária em seu nome por roubo qualificado. Também foi cumprido mandado de busca e apreensão. 
 
A Corregedoria da PM vai investigar o caso. Em nota, a PM diz que o sargento Edwison está detido na Coordenadoria de Custódia Provisória (CCP), em Lauro de Freitas. "Sendo provada que a conduta do policial é incompatível com o desempenho da atividade policial militar, a sansão administrativa de maior grau é a demissão", diz o texto.
A prisão foi feita por policiais da 19ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin/Senhor do Bonfim), da Companhia Independente de Policiamento Especializado da Caatinga (Cipe) e da 54ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Campo Formoso), essa última onde ele era lotado.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.