publicidade

https://www.facebook.com/PortalCarlinoSouza/ Olá! Seja bem Vindo(a) ao Maior Portal de Notícias do interior do Estado da Bahia. Você bem Informado...  Coronel João Sá-BA,

Negromonte pai e filho têm bens bloqueados pela Justiça Federal

A 1ª Vara Federal de Curitiba decretou nesta sexta-feira (7) o bloqueio dos bens do Partido Progressista (PP) e outros 11 políticos da sigla, no valor de aproximadamente R$ 477 milhões. Entre eles, estão os deputados baianos Mário Negromonte Júnior: R$ 2,733 milhões; Roberto Britto (PP-BA): R$ 8,16 milhões; e o ex-deputado e atual conselheiro do Tribunal de Contas dos Munícipios (TCM), Mário Negromonte, no valor de R$ 166.921.262,16. 

Outros políticos atingidos pela decisão foram os deputados Nelson Meurer (PP-PR): R$ 78,8 milhões; Arthur Lira (PP-AL): R$ 7.767.776,96; Otávio Germano (PP-RS): R$ 10,04 milhões; Luiz Fernando Faria (PP-MG): R$ 8,16 milhões. Além disso, tiveram os bens bloqueados os ex-deputados federais Pedro Henry (PP-MT): R$ 800 mil; e João Pizzolatti (PP-SC): R$ 124.055.758,32. Ex-tesoureiro do partido, João Carlos Genu teve R$ 12,8 milhões bloqueados. A decisão do juiz Friedmann Anderson Wendpap foi dada 16 dias após a força-tarefa da Lava Jato ajuizar ação civil pública pedindo responsabilização por atos de improbidade administrativa contra o PP. Ao todo, a ação pede o pagamento de R$ 2,3 bilhões. Trata-se da primeira vez que um partido é responsabilizado pelos crimes cometidos no âmbito da operação. 

O valor total inclui multa de ressarcimento aos cofres públicos de R$ 460 milhões equivalentes à propina paga pelo partido dentro da Diretoria de Abastecimento da Petrobras; além do pagamento de uma multa civil de R$ 1,3 bilhão de outros R$ 460 milhões por danos morais coletivos. Dos R$ 476.837.797,44 bloqueados pela Justiça nesta sexta, R$ 9,88 milhões foram da legenda. Delator da operação, o ex-deputado federal Pedro Corrêa (PP-PE), que teve a prisão decretada em 2015, teve R$ 46,8 milhões tornados indisponíveis.

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.