Justiça suspende show de Jonas Esticado em Euclides da Cunha-BA

Decisão do juiz de direito Paulo Ramalho Pessoa de Andrade Campos Neto, da 1ª Vara Criminal da Comarca de Euclides da Cunha, suspende a realização do show de Jonas Esticado nesta sexta-feira (3), em Euclides da Cunha. O evento contaria com mais duas atrações musicais, agendado para acontecer na Praça de Eventos.
 
O magistrado considerou que a falta de um laudo do corpo de bombeiros colocaria em risco a vida das pessoas presentes na área da festa, motivo pelo qual viu a necessidade de suspender o evento, ressaltando que já houve tragédia de grandes proporções em função do não cumprimentos de requisitos técnicos de segurança, como ocorreu na Boate Kiss há quatro anos, em Santa Maria (RS).

A suspensão do evento ocorreu nesta sexta-feira e deixou muita gente desapontada, já que o jovem cantor Jonas Esticado era aguardado com boas expectativas, principalmente pelas pessoas que já haviam adquirido os ingressos.

Quando a decisão judicial começou a ser repassada aos organizadores da festa, toda estrutura de área, palco, som e barracas de bebidas e comidas já estavam montados.

O público foi informado aos poucos sobre a não realização do evento, especialmente nos pontos de venda de ingressos, mas não houve detalhamento sobre um possível reagendado.

Informações obtidas pela equipe de reportagem do site euclidesdacunha.com dão conta de que Jonas Esticado esteve na cidade de Euclides da Cunha, conforme agendamento.

Aos poucos, a estrutura do evento começou a ser desmontada.

Até o momento do fechamento desta matéria, não havia um comunicado oficial dos organizadores sobre o ocorrido.

A FESTA: Jonas Esticado, cantor de forró eletrônico em ascensão pelo país, era o principal nome do evento, intitulando-o como Jonas Esticado Sensation. Helinho Ventura e Aclécio Jr completariam a grade de atrações musicais da noite.
 

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.