Indígena que matou criança em Euclides da Cunha(BA) foi condenado a 24 anos de prisão

preso-edson
Na última sexta-feira (04), a justiça da comarca de Euclides da Cunha condenou o réu Edson Santos da Silva, também conhecido como “Edinho” ou “Caboclo”, a 24 anos, 6 meses e 1 dia de prisão em regime fechado pela morte do garoto João Vitor.
O crime ocorreu na madrugada do dia 16 de fevereiro de 2014, por volta das 3h na comunidade indígena Kaimbé, no povoado de Massacará, na oportunidade o assassino bateu à porta da casa do senhor João Nélson, quando a família se encontrava em repouso. Segundo reportagem do site Euclidesdacunha.com, publicada na época, o homicida adentrou à casa e de posse de uma marreta passou a atacar a todos que se encontravam no local, resultando em ferimentos graves no dono da casa, em sua esposa Raimunda Pereira de Santana (43), que se encontrava no quarto mês de gravidez, além de os filhos Maísa Santana, Maria Vitória e João Vitor, este, não resistiu aos ferimentos e faleceu. Maria Vitória sofreu lesões corporais que não lhes causaram risco de morrer.
O Júri foi presidido pelo juiz Luís Roberto Cappio Guedes Pereira, e promotor de Justiça Dr. Ernesto Cabral de Medeiros atuando na acusação.

Ainda não segue CARLINO SOUZA nas redes sociais? Corre lá!

Nenhum comentário

Regras do site

Não serão aceitos comentários que:

1. Excedam 500 caracteres com espaço;

2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
Exemplo: um comentário onde o autor diga que fulano é ladrão, corrupto, burro, salafrário e por ai vai. Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. Portanto, o titular deste blog poderá ser responsabilizado civil e criminalmente por tudo que aqui for escrito.

3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;

4. Não tenham relação com a nota publicada pelo Site.

Atenção: só serão disponibilizados no blog os comentários que respeitarem as regras acima expostas.